24 de abril de 2010

Empório Santa Maria

Comer sushi em São Paulo é mais fácil do que em qualquer outro lugar do mundo devido a infinidade de restaurantes japoneses abertos nos últimos anos. Infelizmente não podemos dizer que a qualidade acompanhou este crescimento na mesma medida.

Existem restaurantes para todos os gostos e bolsos. Apesar que alguns chegam a deturpar a culinária japonesa colocando no cardápio "sushi" de rúcula com tomate seco e "romeu e julieta". Mas gosto é gosto, e deve ser respeitado. Nós gostamos dos tradicionais e dos modernos. Mas não daqueles que fazem aberrações...

É o primeiro post sobre sushi do blog, e em grande estilo. Não é um lugar barato, que dá para ir toda semana. Mas vale cada centavo.

O Empório Santa Maria existe há 15 anos e é uma espécie de Casa Santa Luzia, mas em uma dimensão menor. O espaço abriga no térreo o supermercado, um café, e uma adega climatizada. No mezanino estão o restaurante, a Enomatic (uma máquina que permite degustar mais de 48 rótulos de vinhos em doses individuais) e o sushi bar.

No sushi bar todos são competentes e muito experientes mas sempre comemos com o Hermes pois é um amigo de longa data e já sabe do que gostamos. Ele é muito hábil e prepara os sushis com muito capricho. É daqueles que explicam como o prato foi preparado. Só não faça perguntas tolas senão ele ficará sério. A qualidade dos peixes e dos ingredientes utilizados é o ponto alto, mantendo uma ótima regularidade. O arroz é importado e sempre está no ponto. Apenas uma ressalva, nos finais de semana costuma ficar bem cheio.

Começamos com o carpaccio de salmão, onde as finas fatias recebem azeite, limão siciliano e flor de sal. E uma pontinha de molho de pimenta.


A seguir recebemos um temaki de vieira com camarão, temperados com azeite, flor de sal e pimenta branca. É o melhor temaki que já comemos até hoje. A alga é super crocante e a proporção entre arroz e recheio é perfeita. Continua insuperável.
 

Logo após chegou o sashimi de atum maçaricado com uma lâmina de alho torrado sobre as fatias. O alho torrado neste caso não se sobrepõe ao gosto do peixe mas complementa-o.


Um enroladinho de atum envolvendo barbatana de tubarão (fukahire) com ovas de massagô sobre ele terminou as entradas. Além de ser muito bonito é muito gostoso também.


Começou então a sequência de sushis. Primeiro o de barriga de salmão, maçaricado, com raspas de limão siciliano e flor de sal sobre ele. O sushi de torô apenas com wasabi, do jeito que deve ser, também estava ótimo. Ambos estavam bem gordos e derretendo na boca.


Um de nossos preferidos, o sushi de vieira leva azeite, limão siciliano, pimenta branca moída na hora e flor de sal sobre ele. É uma explosão de sabores. O de lula com manteiga trufada tem um sabor mais marcante, mas é muito saboroso.


Logo após vieram gunkas de barbatana de tubarão (fukahire) que estavam bem gostosos e o de água viva (kurague) com um sabor de umê ao fundo.


O de arenque com ovas (kazunoko) estava muito bom onde a combinação de texturas prevalesceu. As ovas são levemente crocantes, bem mais delicadas que a de tobikô e massagô. Como curiosidade, o kazunoko é muito consumido pelos japoneses no Ano Novo como forma de trazer prosperidade na forma de "numerosas" crianças. Pensando bem, acho que da próxima vez não vou comer pois ainda não está na hora de ter crianças...rs. Já a parte do arenque é macia e o sabor lembra um pouco o da cavalinha (sabá).


O uni estava primoroso, o aspecto pode não agradar algumas pessoas logo de início mas o sabor é único e se espalha pela boca perfeitamente. O Hermes costuma colocar um pouco de flor de sal sobre ele que ajuda ainda mais a acentuar o sabor.


O de cavalinha (sabá) estava muito bom com a acidez na medida e super macio.


O de olhete (hamachi) combinado com uma tira de shissô estava fantástico. Simples mas perfeito, assim como o de pargo (tai). O de linguado (hirame) com raspas de limão siciliano combinou muito bem assim como o sushi preparado com a barbatana do linguado. O de barbatana é mais saboroso pois é levemente maçaricado.


Para finalizar, recebemos o de unagui, que levemente aquecido o deixou ainda mais macio e perfeito. O tarê é doce no ponto certo.


Depois dessas delícias, hesitamos em pedir a sobremesa. Mas logo veio a lembrança da última vez onde a mesma estava perfeita e resolvemos pedir. A sobremesa é o tradicional "Romeu e Julieta" em uma versão atualizada. Ela vem na forma de suflê de goiaba com calda de catupiry. O suflê é leve e perfumado e a calda dá o contraste sem ser enjoativa. Apesar de levar catupiry, ela é bem suave e em nada lembra o sabor forte do queijo em questão.


Concluímos mais uma vez que é um lugar perfeito para degustar com os olhos e com a alma. É slow food, para ser degustada sem pressa. É uma sensação única onde os sabores perduram por muito tempo em nossa memória...

Preços
Carpaccio de salmão: R$ 23,00
Atum selado: R$ 26,00
Enroladinho de barbatana: R$ 36,00
Degustação: Variável (para 23 unidades de sushi saiu R$ 200,00 por pessoa)
Suflê de goiaba: R$ 15,00
Banchá: cortesia

Endereço
Av. Cidade Jardim, 790 - Jardim Paulistano
11 3706-5211

Site
http://www.emporiosantamaria.com.br

10 comentários:

andreia inoue disse...

adoro tudo isso,tirando a lula.
:D
abracao.

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Antes de tudo, que chique hein?
E que visual bonito tem os pratos.

Realmente, como vcs falaram, é um pouco caro (bom, o lugar tb ...nos Jardins ne rs) mas pelas fotos a gente percebe que é tudo de primeira.

Que diferente esse sushi e temaki de vieira, com azeite e limão. Deu vontade de experimentar.

O uni é sempre feinho rs. mas parece bom.

Fiquei com fome depois de ver esse review. É bom saber de bons restaurantes, que servem boa comida japonesa e não aberrações típicas de "coisas feitas de qualquer jeito".

E ... a sobremesa... er...pode repetir?rs

boa semana pra vcs.

Bah disse...

TAKAI! Mas compensa pela beleza. Já comi alguns desses pratos em restaurantes no Japão, mas confesso que tenho um gosto muito peculiar rs. Só como sushi de atum, tirando isso, meu paladar não aceita muito. Não gosto de temaki porque meus pais fazem toda sexta-feira e eu meio que enjoei, mas o que me chamou atenção foi esse suflê... até consigo sentir o gostinho da leveza rs..

Kisu!

Tabeteimasu disse...

Olá Alexandre,
A apresentação dos pratos realemnte impressiona. É tudo muito bonito e harmonioso. Não é um sushi tradicional, mas a combinação com azeite e flor de sal fica muito boa e não tira o gosto do peixe.

A sobremesa é perfeita também. Dá vontade de repetir!

Abraço,
Carlos

Pepino disse...

Pepino:
Vocês comem bem, hein?
Acho que só com a degustação saíriamos empaturrados!
O lugar parece bem bacana, muito esmero na apresentação dos Sushis, um desbunde visual =)

Pedro disse...

Que espetáculo!!
É meio caro mesmo, mas estou a fim de encarar...
Não entendi como funciona o preço da degustação... poderia explicar melhor?

Abraço

Pedro

Tabeteimasu disse...

Olá Pepino,
De vez em quando nós damos uma exagerada...rs. E como não dá para encarar uma degustação dessas sempre, resolvemos nos esbaldar!

Olá Pedro,
A degustação é aberta, ou seja, não tem um valor fixo (e isto pode ser perigoso...rs).

Você mesmo pode falar quantos sushis deseja comer. As entradas são ótimas mas acabam encarecendo um pouco no final, portanto você pode pedir apenas os sushis.

Só para ter uma idéia dos valores, as unidades de sushi mais baratas são as de linguado, pargo, olhete a R$ 7,00 e as mais caras de uni, unagui, vieira e barbatana em torno de R$ 9,50 (a de torô sai a R$ 12,00). Apesar de não ter ido ao Jun Sakamoto, a qualidade é comparável pois os peixes sempre estão frescos e os demais ingredientes são todos importados (mas no final sai bem mais barato que o Jun).

Você pode pedir um sushi de cada e ao final se tiver gostado mais de algum especificamente pode pedir para repetir, ou pedir duplas dos melhores peixes do dia. Em nossa visita experimentamos 14 sushis diferentes (que daria uns R$ 150,00), mas como repetimos alguns foi para 23 sushis (quase 12 duplas, o que é bastante).

Normalmente o Hermes pergunta se você tem restrição à algum ingrediente ou se não gosta de algo. Eu como de tudo e deixo a critério dele. Vale a pena conhecer. Qualquer dúvida a mais é só perguntar.

Abraço,
Carlos

carol disse...

que engraçado um sushi bar com nome bem brasileiro!
e lindas essas apresentações, mas esse restaurante é para ocasiões mega especiais!
Mas ainda guardo meu pobre dinheiro estagiário para um dia apreciar o Kinoshita. hahah

YumiNaMesa disse...

Olá! Nossa, é muito raro eu ficar com vontade de comer sushi, mas vocês conseguiram... O que eu achei legal é que, apesar de criativo, não tem essas invencionices que descaracterizam a culinária japonesa.
Bem interessante o "atum maçaricado com uma lâmina de alho torrado". Eu imagino que seja uma releitura do "tataki".
Eu só não comeria a barbatana de tubarão, pois como eu tenho uma adoração por tubarões, seria como comer carne de cachorro p/ muita gente...
Eu nunca gostei muito de ir no Santa Maria, pois não tem uma variedade muito legal de produtos e são quase que invariavelmente mais caros que nos outros lugares.
Mas o sushi parece uma ótima dica!

Tabeteimasu disse...

Olá Carol,
Está juntando para ir no Kinoshita? Eu também queria ir mas desencanei pois acho que ficou muito "estrelinha" e não justifica o preço. Dizem que o Aizomê vale mais a pena pois tem um custo-benefício melhor e a degustação é muito boa. Nós ainda não fomos, mas está na lista...rs


Olá Yumi,
Os sushis de lá não são tradicionais, são modernos mas sem ter algumas aberrações.

Entendo o que deve ser comer barbatana para quem gosta de tubarões...rsrs...lá eles servem foie gras, mas não gostamos muito de comer devido ao apelo sentimental também.

Alguns produtos são realmente mais caros que em outros lugares, mas em relação aos importados não existe tanta diferença. A Casa Santa Luzia continua sendo imbatível, mas dá para achar algumas coisas interessantes com preço bom no Empório também.

O melhor mesmo é o sushi! Pode ir sem medo. Ah, tem um brunch nos finais de semana que parece ser muito bom, mas ainda não experimentamos.

Postar um comentário